UÉ integra Centro UNESCO para formar cientistas de Países de Língua Portuguesa

O Centro LP - Centro Internacional para a Formação Avançada em Ciências Fundamentais de Cientistas oriundos dos Países de Língua Portuguesa, lançado pelo Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior no passado dia 24 de julho, visa estimular a formação de docentes e investigadores dos PALOP. É numa das suas áreas estratégicas – as Ciências Agrárias – que a Universidade de Évora (UÉ) intervém.

A UÉ assinou com mais três Instituições de Ensino Superior nacionais um contrato de Consórcio de Escolas de Ciências Agrárias (CECA) e é por esta via que integra, a partir da mesma data, o Centro LP, um Centro Unesco de categoria 2.

Para além da UÉ, o CECA reúne a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, o Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa e o Instituto Politécnico de Bragança em torno de uma plataforma de discussão e partilha na área das ciências e tecnologias agrárias, em sentido abrangente (incluindo agricultura, florestas, produtos alimentares e produtos naturais, recursos biológicos e ambientais, biodiversidade e serviços de ecossistema). O objetivo é contribuir proactivamente para o desenvolvimento das Ciências Agrárias, nomeadamente nos Países de Língua Portuguesa, tendo em vista o incremento da formação superior e avançada, da investigação e inovação e o desenvolvimento de sociedades baseadas no conhecimento.

O Ciência LP assume uma estrutura de consórcio de I&D entre a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), o Consórcio de Escolas de Ciências Agrárias (CECA) e o Consórcio de Escolas de Engenharia (CEE) de Portugal, (entre outros que se possam vir a constituir, incluindo em Países de Língua Portuguesa), de um modo a garantir o desenvolvimento e financiamento sustentável de uma rede de colaboração efetiva nesses países, com polos dinamizadores em Portugal e eventualmente noutras localizações.

De acordo com Manuel Heitor, Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, “O programa pretende apoiar 40 bolsas de doutoramento e quatro investigadores, num esforço de 750 mil euros por ano que, cumulativamente ao fim de cinco anos, representa 3,5 milhões de euros para esta dupla função de formar e capacitar as instituições científicas”.

A representar a Universidade de Évora na sessão de lançamento esteve Ausenda de Cáceres Balbino, Vice-Reitora e Teresa Pinto Correia, Diretora do MED - Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento. A sessão contou ainda com a presença de Maria do Rosário Sambo Ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação de Angola, Daurtarin Costa, Ministro da Educação Nacional e Ensino Superior da Guiné-Bissau, e Maritza Rosabal Peña, Ministra da Educação, Família e Inclusão Social de Cabo Verde.

Publicado em 26.07.2019
Fonte: GabCom | UÉ