Investigador Miguel Araújo Prémio Pessoa 2018

A Universidade de Évora (UÉ) congratula-se com a justa atribuição do Prémio Pessoa 2018 ao Professor Miguel Bastos Araújo, investigador coordenador convidado da UÉ desde 2009, e um dos cientistas portugueses mais destacados da atualidade.

Miguel Bastos Araújo, titular da Cátedra Rui Nabeiro de Biodiversidade (a primeira Cátedra financiada com fundos privados em Portugal) e Diretor do Polo de Évora do Laboratório Associado InBIO, é internacionalmente reconhecido como líder científico em biogeografia, macroecologia e modelação ecológica, tendo-se destacado pela originalidade e impacto da sua investigação nas áreas da biodiversidade e das alterações climáticas globais.

Um artigo recentemente aceite pela prestigiosa revista “Science Advances” (Araújo et al. 2019), culmina 20 anos de trabalho com a proposta de “standards” para modelos de biodiversidade utilizados em processos de decisão política. A utilização de “standards” é prática corrente em medicina e engenharia, onde os erros decorrentes de uma deficiente ou anómala utilização de dados e/ou procedimentos pode ter consequências dramáticas para a saúde e integridade de vidas humanas. A sua utilização nas ciências do ambiente é, pela primeira vez, alvo de proposta pelo Prof. Bastos Araújo e sua equipa de colaboradores abrindo portas uma nova era no desenvolvimento científico e metodológico desta área do conhecimento.

Para a Reitora da UÉ, Ana Costa Freitas, a atribuição do prémio, “para além de ser evidentemente justa, reconhece a importância não só do cientista, como também reconhece a relevância da área científica Alterações Climáticas e Biodiversidade no mundo atual, tendo sido por estes motivos que a UÉ propôs a sua candidatura, e é com orgulho que vê esta distinção ser atribuída”, dirigindo ainda os parabéns ao Professor Miguel Araújo.

A missão científica do Professor Miguel Araújo é reforçar as bases científicas da política de ambiente na área da biodiversidade. Neste domínio tem procurado desenvolver mecanismos de gestão e de redução da incerteza e contribuído significativamente para o aprofundamento do conhecimento dos impactes atuais e futuros das alterações ambientais globais na distribuição das espécies e dos serviços ambientais proporcionados pelos ecossistemas.

O mérito científico das contribuições de Bastos Araújo é amplamente reconhecido, como se pode atestar pelos diversos prémios internacionais que obteve nos últimos cinco anos:

 

  Ernst Haeckel Prize (2019; Medalha), galardão atribuído pela primeira a um Português pela “European Ecological Federation”. O prémio honra investigadores sénior pelas suas excepcionais contribuições para a ciência ecológica europeia;

·         CSIC Merit Research Award (2014, 2015, 2016, 2017), reconhecimento atribuído pelo “Consejo Superior de Investigaciones Científicas” de Espanha a investigadores que se diferenciaram pelo mérito da sua investigação no ano anterior à atribuição do prémio;

·         King James I Award (2016; Medalha e €100,000), galardão atribuído pela primeira vez a um cidadão não espanhol, por Sua Majestade, Filipe VI, Rei de Espanha,  e pela “Fundación Rey Jaime I”. O prémio reconheceu as contribuições científicas na área da conservação do ambiente tendo sido selecionado por um júri composto por vários Prémios Nobel.

·         Highly Cited Scientist (2014, 2015, 2016, 2017, 2018), reconhecimento atribuído pela “Thomson Reuters” aos 1% investigadores mais citados do mundo. Apenas 2 Portugueses obtiveram este reconhecimento, de forma consecutiva e ininterrupta, entre 2014 e 2018;

·         Wolfson Research Merit Award (2014, £50,000), prémio atribuído pela “Royal Society”, em Londres, a investigadores que se destacam pelo mérito e originalidade das suas propostas de investigação; 

·         Ebbe Nielsen Prize (2013; €30,000), galardão atribuído pela primeira a um Português pela “Global Biodiversity Information Facility” (GBIF) a investigadores que “combinam a bio-sistemática e a informática da biodiversidade de forma estimulante e inovadora”;

·         MacArthur & Wilson Award (2013; Estatueta), galardão atribuído pela primeira vez a um Português pela “International Biogeography Society” (IBS) pelas “notáveis e inovadoras contribuições científicas na área da biogeografia”.

Publicado em 14.12.2018
Fonte: GabCom | UÉ