Domingos Patacho
PRODEHESA-MONTADO em jornadas na UÉ

A Universidade de Évora (UÉ) recebeu nos dias 8 e 9 de novembro, as Jornadas de Divulgação do Projeto de Cooperação Transfronteiriça PRODEHESA-MONTADO, com o duplo objetivo de mostrar os avanços na luta contra o declínio da azinheira e do sobreiro (Phytophthora cinnamomi) e promover boas práticas de gestão dos montados.

Nuno Ribeiro, investigador do Instituto de Ciências Agrárias e Abientais Mediterrânicas (ICAAM) e responsável do projeto, explicou que, entre outros aspetos, “há que ter em consideração o tipo de solo no montado, sendo o sob-coberto “um fator determinante no que respeita à sustentabilidade e rentabilidade nestas culturas”, identificando-se, ainda no terreno, o crescimento diferencial entre as espécies arbóreas. A identificação da biodiversidade animal pelo Laboratório de Ornitologia (LabOr), estrutura integrada no Grupo de Investigação Funcionamento dos Ecossistemas e Conservação do ICCAM, tem trazido dados importantes para a investigação.

A criação de uma Feira Internacional do Montado/Dehesa com o objetivo de divulgar os avanços científicos na área e promover os produtos e serviços que este ecossistema pode oferecer é um dos grandes objetivos deste projeto transfronteiriço que envolve do lado espanhol a região da Extremadura e da Andalucía, e do lado português, as regiões do Alentejo, zonas Centro e Norte de Portugal, e norte do Algarve. O projeto contempla ainda a adaptação de um marco normativo que, na atualidade afeta estes ecossistemas, suas necessidades e caraterísticas próprias. Entre as tarefas que foram programadas está a elaboração de uma proposta de lei para defesa da Dehesa, em todos os territórios que refletem as suas peculiaridades. Pretende igualmente contribuir para a valorização ambiental da dehesa-montado, estudando o ciclo de vida dos seus produtos, quantificar a pegada de carbono e ampliar a base cartográfica e censo existentes. Para além destas tarefas, as instituições envolvidas trabalharam numa candidatura ibérica para que a dehesa seja declarada Património da Humanidade pela UNESCO.

Cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), através do Programa Operacional de Cooperação Transfronteiriça España-Portugal (POCTEP) (2014-2020), num valor global de 3.417.000 euros, por um período de três anos, este projeto conta com 17 parceiros, dos quais 13 são entidades espanholas e 4 de portuguesas. Os resultados do projeto vão ser facultados aos proprietários, gestores e empresários relacionados com a transformação e comercialização, cooperativas e grupos de desenvolvimento rural, associações de produtores, organizações de defesa da dehesa e do montado, bem como às diversas instituições de investigação espanholas e portuguesas.

Integram o projeto o Centro de Investigaciones Científicas y Tecnológicas de Extremadura (CICYTEX); Gabinete de Gestión Integral de Recursos; CTAEX; Universidad de Extremadura; Federación Española de la Dehesa (FEDEHESA); Universidad de Sevilla; Extremadura Avante; Consejería de Medio Ambiente y Ordenación del Territorio de la Junta de Andalucía; Agencia de Gestión Agraria y Pesquera de Andalucía (AGAPA); Observatorio para la Comercialización y la Industrialización del Corcho Extremeño (OCICEX); Dirección General de Medio Ambiente de la Junta de Extremadura; INTROMAC; Universidad de Córdoba. De Portugal, participa a Universidade de Évora, INIAV-Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, QUERCUS- Associação Nacional de Conservação da Natureza e o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas. A UNAC - União das Organizações de Agricultores para o Desenvolvimento da Charneca, participará como representante do montado português.

Publicado em 13.11.2018
Fonte: GabCom | UÉ